MOVIE REVIEW: "Bitcoin: The End of Money as We Know It" (2015)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

bitcoin_money01.jpg

Amazon

Synopsis: The transformation of the financial market through a currency created in 2009, by an unknown person, which has proved to be something very important for the economic scenario, which has an international scope due to its wide nature of impact on the lives of all people.

Financial freedom, the end of banks and the replacement of printed money are just a small block of consequences that cryptocurrencies are bringing to our society and it all started the biggest reference within the world of digital currencies: Bitcoin. Even though its creation is still "unknown", this creation was something so revolutionary that it is becoming a worldwide trend through its roots that it is providing a new vision about the money of the future (or the future of money), which without a doubt, will be digital. In fact, this is already a reality and it is a path of no return.

bitcoin_money02.png

IMDb

In this North American documentary, the focus is on talking about the controversies that Bitcoin in its essence has brought to the discussion table around the world. Over the course of 60 minutes (within a narrative that follows a very interesting pace, despite some moments when the structure of arguments is a little tiring), the movie manages to expose some themes and ideas that are very questionable in the traditional activities of banks and mainly of those who are working behind these financial entities. A smart script, but a little boring due to its lack of boldness or direction.

I was expecting to watch something a little more informative and more instructive, but what there is here is a "marketing action" against the abuses that are committed by the State (in the position, in particular, of banking institutions) and a "campaign pro Bitcoin". Neither of these two approaches is a bad thing (quite the opposite), but I believe that the writers miss the chance to talk about Bitcoin in a more incisive (and even more expository) way, something that needed to have had better attention at the time of organize and prioritize the arguments and how it would all fit into the creation of the documentary.

bitcoin_money03.png

IMDb

Although it is a movie that does not delve deeply into its proposal, it is still efficient. There is a satisfactory approach to Bitcoin being an alternative to local currencies in each country and also, like cryptocurrencies (in general), they can bring about a revolution in monetary transactions. Going a step further, the script touches on issues of concern and which should gain more attention over the years, such as the use of digital currencies so that organized crime (for example: real and digital terrorism, arms smuggling, or money laundering money) can be more widely financed. An urgent and valid concern.

Another very good point of this documentary is the fact that he does a great retrospective on the history of money (from the ancient world to the modern world, bringing all the chaos that the frantic Wall Street scene loves) and makes a connection with the political aspect, because governments have strong and decisive influences on distribution in this creation process and how it is passed on to people. Among the highlighted themes: the 2008 crisis, the negative power of inflation, consequences and curiosities about loans, and other very relevant topics that really deserve the attention of viewers.

bitcoin_money04.png

IMDb

The production has quite simple technical aspects, but it is no less interesting or is something that should be underestimated due to the lack of a millionaire budget. However, there are some somewhat precarious points (such as editing scenes, which is a bit confusing) and this is something that brings less credibility to such an important story, which is told at an accelerated pace, delivering a final result that is satisfactory... But problematic because it has much more potential behind the scenes that is not as well explored as it should be. For that reason alone, the movie doesn't get to be even better.

Torsten Hoffmann and Michael Watchulonis are the directors of Bitcoin: The End of Money as We Know It and do a decent job, opting for an extremely educational content that turns out to be a very good option for people who still know absolutely nothing about Bitcoin (or Blockchain technology) have a first contact that certainly has the power to awaken in them the curiosity to know more about this new reality that, in essence, is changing the world in its most diverse forms (going far beyond its purely financial aspects, where the numbers dictate the rules and always speak louder).


CRÍTICA DE PELÍCULA: "Bitcoin: The End of Money as We Know It" (2015)

Sinopsis: La transformación del mercado financiero a través de una moneda creada en 2009, por un desconocido, que ha demostrado ser algo muy importante para el escenario económico, que tiene alcance internacional por su amplia naturaleza de impacto en la vida de todas las personas.

La libertad financiera, el fin de los bancos y la sustitución del dinero impreso son solo un pequeño bloque de consecuencias que las criptomonedas están trayendo a nuestra sociedad y todo empezó la mayor referencia dentro del mundo de las monedas digitales: Bitcoin. Aunque su creación aún es "desconocida", esta creación fue algo tan revolucionario que se está convirtiendo en una tendencia mundial a través de sus raíces que está aportando una nueva visión sobre el dinero del futuro (o el futuro del dinero), que sin un duda, será digital. De hecho, esto ya es una realidad y es un camino sin retorno.

En este documental norteamericano, el foco está en hablar sobre las controversias que Bitcoin en su esencia ha traído a la mesa de discusión en todo el mundo. A lo largo de 60 minutos (dentro de una narrativa que sigue un ritmo muy interesante, a pesar de algunos momentos en los que la estructura de los argumentos es un poco agotadora), la película logra exponer algunos temas e ideas muy cuestionables en las actividades tradicionales de los bancos. y principalmente de quienes están detrás de estas entidades financieras. Un guión inteligente, pero un poco aburrido por su falta de atrevimiento o dirección.

Esperaba ver algo un poco más informativo y más instructivo, pero lo que hay aquí es una "acción de marketing" contra los abusos que comete el Estado (en el cargo, en particular, de las instituciones bancarias) y una "campaña pro Bitcoin". Ninguno de estos dos enfoques es malo (todo lo contrario), pero creo que los escritores pierden la oportunidad de hablar sobre Bitcoin de una manera más incisiva (e incluso más expositiva), algo que debió haber tenido una mejor atención en el momento de organizar y priorizar los argumentos y cómo encajaría todo en la creación del documental.

Aunque es una película que no profundiza en su propuesta, sigue siendo eficiente. Existe un enfoque satisfactorio de que Bitcoin sea una alternativa a las monedas locales en cada país y además, como las criptomonedas (en general), pueden provocar una revolución en las transacciones monetarias. Yendo un poco más allá, el guión toca temas de interés y que deberían ganar más atención a lo largo de los años, como el uso de monedas digitales para que el crimen organizado (por ejemplo: terrorismo real y digital, contrabando de armas o lavado de dinero) se puede financiar de forma más amplia. Una preocupación urgente y válida.

Otro muy buen punto de este documental es el hecho de que hace una gran retrospectiva sobre la historia del dinero (del mundo antiguo al mundo moderno, trayendo toda la atmósfera frenética que Wall Street ama) y hace una conexión con lo político. aspecto, porque los gobiernos tienen una influencia fuerte y decisiva en la distribución en este proceso de creación y cómo se transmite a las personas. Entre los temas destacados: la crisis de 2008, el poder negativo de la inflación, las consecuencias y curiosidades sobre los préstamos, y otros temas muy relevantes que realmente merecen la atención de los espectadores.

La producción tiene aspectos técnicos bastante sencillos, pero no por ello es menos interesante o es algo que hay que subestimar por la falta de un presupuesto millonario. Sin embargo, hay algunos puntos un tanto precarios (como la edición de escenas, que es un poco confusa) y esto es algo que aporta menos credibilidad a una historia tan importante, que se cuenta a un ritmo acelerado, entregando un resultado final satisfactorio... Pero problemático porque tiene mucho más potencial entre bastidores que no está tan bien explorado como debería. Solo por esa razón, la película no llega a ser aún mejor.

Torsten Hoffmann y Michael Watchulonis son los directores de Bitcoin: The End of Money as We Know It y hacen un trabajo digno, optando por un contenido sumamente educativo que resulta ser una muy buena opción para las personas que aún no saben absolutamente nada sobre Bitcoin (o tecnología Blockchain) tienen un primer contacto que ciertamente tiene el poder de despertar en ellos la curiosidad por conocer más sobre esta nueva realidad que, en esencia, está cambiando el mundo en sus formas más diversas (yendo mucho más allá de sus aspectos puramente financieros, donde los números dictan las reglas y siempre hablan más alto).


CRÍTICA DE FILME: "Bitcoin: O Fim do Dinheiro Como Nós o Conhecemos" (2015)

Sinopse: A transformação do mercado financeiro através de uma moeda criada em 2009, por um desconhecido, que tem se mostrado como algo muito importante para o cenário econômico, que tem um escopo internacional por sua ampla natureza de impacto na vida de todas as pessoas.

Liberdade financeira, o fim dos bancos e a substituição do dinheiro impresso são apenas um pequeno bloco de consequências que as criptomoedas estão trazendo para à nossa sociedade e tudo começou a referência maior dentro do mundo das moedas digitais: o Bitcoin. Mesmo que à sua autoria ainda seja "desconhecida", essa criação foi algo tão revolucionário que está se tornando uma tendência mundial através das suas raízes que está proporcionando uma nova visão sobre o dinheiro do futuro (ou o futuro do dinheiro), que sem dúvidas, será digital. Aliás, isso já é uma realidade e é um caminho sem volta.

Neste documentário norte-americano, o foco é falar sobre as controvérsias que o Bitcoin em sua essência tem trazido para à mesa de discussões em todo o mundo. Ao longo de 60 minutos (dentro de uma narrativa que segue um ritmo bem interessante, apesar de alguns momentos em que à estrutura de argumentos é um pouco cansativa), o filme consegue expor alguns temas e ideias que são muito questionáveis nas atividades tradicionais dos bancos e principalmente de quem está trabalhando por trás essas entidades financeiras. Um roteiro inteligente, mas um pouco chato pela sua falta de ousadia ou direcionamento.

Eu estava esperado assistir algo um pouco mais informativo e mais instrutivo, mas o que há aqui é uma "ação de marketing" contra os abusos que são cometidos pelo Estado (na posição, em especial, das instituições bancárias) e uma campanha "pro Bitcoin". Nenhuma dessas duas abordagens é algo ruim (muito pelo contrário), mas eu acredito que os roteiristas perdem a chance de falar sobre o Bitcoin de uma maneira mais incisiva (e até mais expositiva), algo que precisava ter tido uma melhor atenção na hora de organizar e priorizar os argumentos e como tudo isso iria se encaixar na criação do documentário.

Apesar de ser um filme que não mergulha fundo na sua proposta, ainda sim, ele é eficiente. Há uma abordagem satisfatória sobre o Bitcoin ser uma alternativa as moedas locais de cada país e também, como as criptomoedas (de uma maneira geral), podem trazer uma revolução nas transações monetárias. Indo um pouco mais além, o roteiro toca em questões preocupantes e que devem ganhar mais atenção ao longo dos anos, como o uso das moedas digitais para que o crime organizado (por exemplo: terrorismo real e digital, contrabando de armas, ou lavagem de dinheiro) possa ser mais amplamente financiado. Uma preocupação urgente e válida.

Outro ponto muito bom desse documentário é o fato dele fazer uma ótima retrospectiva sobre a história do dinheiro (desde o mundo antigo até o mundo moderno, trazendo todo o caos que o cenário frenético de Wall Street adora) e faz uma conexão com o aspecto político, porque os governos tem influências fortes e decisivas na distribuição nesse processo de criação e como ele é repassado para as pessoas. Dentre os temas destacados: a crise de 2008, o poder negativo da inflação, consequências e curiosidades sobre empréstimos, e outros temas muito relevantes que realmente merecem à atenção dos telespectadores.

A produção tem aspectos técnicos bastante simples, mas nem por isso é menos interessante ou é algo que deva ser subestimado pela falta de um orçamento milionário. No entanto, existem alguns pontos um pouco precários (como a edição de cenas, que é um pouco confusa) e isso é algo que traz menos credibilidade para uma história tão importante, que é contada em ritmo acelerado, entregando um resultado final que é satisfatório... Mas problemático porque tem muito mais potencial nos bastidores que não é tão bem explorado quanto deveria ser. Apenas por esse motivo é que o filme não consegue ser ainda melhor.

Torsten Hoffmann e Michael Watchulonis são os diretores de Bitcoin: O Fim do Dinheiro Como Nós o Conhecemos e fazem um trabalho decente, optando por um teor extremamente educacional e que acaba sendo uma opção muito boa para as pessoas que ainda não conhecem absolutamente nada sobre Bitcoin (ou tecnologia Blockchain) terem um primeiro contato que certamente tem o poder de despertar nelas a curiosidade de conhecer mais sobre essa nova realidade que em sua essência, está mudando o mundo em suas mais diversas formas (indo muito além dos seus aspectos puramente financeiros, onde os números ditam as regras e sempre falam mais alto).