BOOK REVIEW: "Asphyxia" (2021)

in LifeStylelast month

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

asphyxia01.jpg

Fotô Editorial

The world is going through one of its most problematic and sensitive moments: the Coronavirus pandemic (which is triggering a real wave of problems in several aspects, where health is being directly attacked from all sides... culminating in the infection and deaths of a large number of people). An extremely sad situation that is revealing some old problems (and in many cases, exalting them even more) that are rooted out there, within societies that are politically governed by people with bad intentions (here in Brazil, for example, this is a very common reality... something that has already been normalized by a large part of the population), focusing only on the execution of countless illegal acts.

In parallel, the world witnessed several (and heavy) cases of racism, which "resurfaced" in their most absurd forms, as was seen last year (more precisely, in New York, with the death of George Floyd... a cruel case , which has already become emblematic for so many obvious reasons). Striking episodes within world culture (specifically American), and a look at these two segments are the inspiration and main focus of this book, which is a very intimate view (a manifesto book) on these two problems. The project is the work of Brazilian journalist Candice Carvalho Feio, who takes her first step into the literary world (because this is her first book... and without a doubt, it is very interesting).

asphyxia02.jpg

O Globo

Didactically, the book follows a very intelligent (chronological) timeline, which has a narrative mode supported by the use of photographs and texts (written according to two perspectives: the professional side, as a reporter and the personal side, as a human being) a mixture that gives the book a very personal tone and full intensity, something that the author managed to pass on in its essence, with the firmness and urgency that the themes demand). The book works as an epicenter of these two aspects (the pandemic and racial prejudice) and brings a look full of sensitivity (and remarkable moments, mainly in visual aspects, through photos with a clinical look that highlight details about the themes), combined with literary compositions that were inspiring texts to bring reflection to readers.

asphyxia03.jpg

Fotô Editorial

The creative process of the book was basically built according to the experiences that the journalist lived last year (because she works in the "heart" of New York) and because she is in the "eye of the hurricane", she is able to deliver a very robust about a sad reality that is still part of American history (and reinforces, how sick she is even after having made positive progress over the decades). Candice deftly handles her journalistic work to give a direct and deep look at what she wants to show and the book conveys this with a notorious truth. Photos and texts that highlight moments when the drama tears the good hearts and creates historical episodes for their representativeness.

asphyxia04.jpg

Fotô Editorial

Technically, I was very impressed not only with the photos (which, by the way, were very well selected and organized throughout the book), but with the quality of the material and the level of completion on the printed pages. The small details highlight the quality, and demonstrate the care that Candice took to ensure that her first book (a project to which she dedicated herself very hard) was really done within a rigid eye, focusing on aspects that have an impact on her side " illustrative "(which in this case is very real) and, at the same time, reinforced by a text that brings a narrative with meaningful words. A reading that is very fluid and "designed" in a very creative, touching and shrewd way.

A health crisis that happens at the same time as an endemic racism appears as a necessary agenda to be increasingly commented (especially at this moment) and it is precisely what the reader will find when reading this book. A good dose of reality, which certainly has the function of not only opening people's eyes, but causing a possible change in ideas or concepts that until then were "plastered" by archaic ideas. Asphyxia has a very unique characteristic that will only be absorbed by readers who are really, in its entirety, focused on what they are seeing and reading: the urgency of change, an appeal for social transformation - which is not restricted only to the United States - on a world scale.

asphyxia05.jpg

Fotô Editorial

In other words, I classify this book as a way of giving voice to those who are afraid to express it (and in this case, not just black people), at the same time there has to be a tangible sense of urgency in throwing the spotlight in the pandemic crisis. Two themes where a constant need for air is always present, making the title of the book bring a reflection right on its cover. In fact, the title of this project was extremely intelligent and to the point, because shortness of breath is highly damaging to the two themes on scales that are impossible to measure at levels of importance. Everyone needs air, every system needs to find ways to breathe... Once we run out of air, what will we have left?


CRÍTICA DE LIBRO: "Asfixia" (2021)

El mundo atraviesa uno de sus momentos más problemáticos y sensibles: la pandemia del Coronavirus (que está desencadenando una verdadera ola de problemas en varios aspectos, donde la salud está siendo atacada directamente por todos lados... culminando con la infección y muerte de un gran cantidad de personas). Una situación tremendamente triste que está revelando algunos viejos problemas (y en muchos casos, exaltándolos aún más) que están arraigados allí, dentro de sociedades que están gobernadas políticamente por personas con malas intenciones (aquí en Brasil, por ejemplo, es una situación muy realidad común... algo que ya ha sido normalizado por gran parte de la población), enfocándose únicamente en la ejecución de innumerables actos ilícitos.

Paralelamente, el mundo fue testigo de varios (y pesados) casos de racismo, que "resurgieron" en sus formas más absurdas, como se vio el año pasado (más precisamente, en Nueva York, con la muerte de George Floyd... un caso cruel , que ya se ha convertido en emblemático por tantas razones obvias). Episodios impactantes dentro de la cultura mundial (específicamente estadounidense), y una mirada a estos dos segmentos son la inspiración y el foco principal de este libro, que es una visión muy íntima (un libro manifiesto) sobre estos dos problemas. El proyecto es obra de la periodista brasileña Candice Carvalho Feio, quien da su primer paso en el mundo literario (porque este es su primer libro... y sin duda, es muy interesante).

Didácticamente, el libro sigue una línea de tiempo muy inteligente (cronológica), que tiene un modo narrativo apoyado en el uso de fotografías y textos (escritos según dos perspectivas: la profesional, como reportero, y la personal, como ser humano) una mezcla que le da al libro un tono muy personal y plena intensidad, algo que el autor logró trasmitir en su esencia, con la firmeza y urgencia que los temas exigen). El libro actúa como epicentro de estos dos aspectos (la pandemia y el prejuicio racial) y aporta una mirada llena de sensibilidad (y momentos destacables, principalmente en aspectos visuales, a través de fotografías con mirada clínica que resaltan detalles sobre los temas), combinada con composiciones literarias que fueron textos inspiradores para llevar la reflexión a los lectores.

El proceso creativo del libro se construyó básicamente a partir de las vivencias que vivió la periodista el año pasado (porque trabaja en el "corazón" de Nueva York) y porque está en el "ojo del huracán", es capaz de entregar una muy contundente acerca de una triste realidad que todavía es parte de la historia de Estados Unidos (y refuerza lo enferma que está incluso después de haber logrado avances positivos a lo largo de las décadas). Candice maneja hábilmente su trabajo periodístico para dar una mirada directa y profunda a lo que quiere mostrar y el libro transmite esto con una notoria verdad. Fotos y textos que resaltan momentos en los que el drama desgarra los corazones buenos y crea episodios históricos por su representatividad.

Técnicamente, quedé muy impresionado no solo con las fotos (que, por cierto, estaban muy bien seleccionadas y organizadas a lo largo del libro), sino con la calidad del material y el nivel de terminación de las páginas impresas. Los pequeños detalles resaltan la calidad, y demuestran el cuidado que Candice puso para que su primer libro (un proyecto al que se dedicó muy duro) se hiciera realmente dentro de una mirada rígida, enfocándose en aspectos que impactan de su lado "ilustrativo" (que en este caso es muy real) y, al mismo tiempo, reforzado por un texto que aporta una narrativa con palabras significativas. Una lectura muy fluida y "diseñada" de una manera muy creativa, conmovedora y astuta.

Una crisis de salud que ocurre al mismo tiempo que un racismo endémico aparece como una agenda necesaria a ser cada vez más comentada (especialmente en este momento) y es precisamente lo que el lector encontrará al leer este libro. Una buena dosis de realidad, que sin duda tiene la función no solo de abrir los ojos de las personas, sino de provocar un posible cambio de ideas o conceptos que hasta entonces estaban "enyesados" por ideas arcaicas. Asfixia tiene una característica muy singular que solo será absorbida por lectores que estén realmente, en su totalidad, enfocados en lo que están viendo y leyendo: la urgencia del cambio, un llamado a la transformación social - que no se limita solo a los Estados Unidos - a escala mundial.

En otras palabras, clasifico este libro como una forma de dar voz a quienes tienen miedo de expresarlo (y en este caso, no solo a los negros), al mismo tiempo tiene que haber un sentido tangible de urgencia en lanzar la foco en la crisis pandémica. Dos temas en los que siempre está presente una constante necesidad de aire, haciendo que el título del libro refleje en su portada. De hecho, el título de este proyecto fue extremadamente inteligente y al grano, porque la falta de aire es altamente dañina para los dos temas en escalas que son imposibles de medir en niveles de importancia. Todo el mundo necesita aire, todo sistema necesita encontrar formas de respirar... Una vez que nos quedemos sin aire, ¿qué nos queda?


CRÍTICA DE LIVRO: "Asfixia" (2021)

O mundo vive um dos seus momentos mais problemáticos e sensíveis: a pandemia do Coronavírus (que está desencadeando uma verdadeira onda de problemas em diversos aspectos, onde a saúde está sendo diretamente atacada por todos os lados... culminando na infecção e mortes de uma grande quantidade de pessoas). Uma situação extremamente triste e que está revelando alguns problemas antigos (e em muitos casos, exaltando-os ainda mais) que estão enraizados por aí, dentro de sociedades que são politicamente governadas por pessoas mal intencionadas (aqui no Brasil, por exemplo, essa é uma realidade bastante comum... algo que já foi normalizado por uma grande parte da população), focando apenas na execução de incontáveis atos ilícitos.

Em paralelo, o mundo presenciou diversos (e pesados) casos de racismo, que "ressurgiram" em suas formas mais absurdas, como foi visto ano passado (mais precisamente, em Nova York, com a morte de George Floyd... um caso cruel, e que já se tornou emblemático por tantos motivos óbvios). Episódios marcantes dentro da cultura mundial (especificamente na americana), e um olhar sobre esses dois segmentos são à inspiração e o foco principal desse livro, que é uma visão muito intimista (um livro-manifesto) sobre esses dois problemas. O projeto é uma obra da jornalista brasileira Candice Carvalho Feio, que dá o seu primeiro passo dentro do mundo literário (porque esse é o seu primeiro livro... e sem dúvidas, ele é muito interessante).

Didaticamente, o livro segue uma linha temporal (cronológica) muito inteligente, que tem um modo narrativo apoiado no uso de fotografias e textos (escritos de acordo com dois olhares: o lado profissional, como repórter e o lado pessoal, como ser humano... uma mistura que dá ao livro, um tom muito pessoal e cheio intensidade, algo que a autora conseguiu repassar na sua essência, com a firmeza e com a urgência que os temas exigem). O livro funciona como uma zona de epicentro dessas duas vertentes (a pandemia e o preconceito racial) e traz um olhar repleto de sensibilidade (e momentos marcantes, principalmente em aspectos visuais, através de fotos com um olhar clínico que ressaltam aspectos detalhistas sobre os temas), aliado as composições literárias que foram textos inspiradores para trazer reflexão aos leitores.

O processo criativo do livro foi basicamente construído de acordo com as experiências que a jornalista viveu no ano passado (porque ela trabalha no "coração" de Nova York) e pelo fato dela estar no "olho do furacão", ela consegue entregar um resultado muito robusto sobre uma triste realidade que ainda faz parte da história americana (e reforça, o quanto ainda ela é doente mesmo depois de ter avançado positivamente ao longo das décadas). Candice habilmente seus trabalhos jornalísticos para dar um olhar direto e profundo sobre o que quer mostrar e o livro transmite isso com uma verdade notória. Fotos e textos que destacam momentos em que o drama dilacera os bons corações e criam episódios históricos pela sua representatividade.

Tecnicamente, eu fiquei muito impressionado não apenas com as fotos (que aliás, foram muito bem selecionadas e organizadas ao longo de todo o livro), mas com a qualidade do material e o nível de finalização nas páginas impressas. Os pequenos detalhes ressaltam a qualidade, e demonstram o cuidado que Candice teve para garantir que o seu primeiro livro (um projeto ao qual ela se dedicou arduamente) fosse realmente feito dentro de um olhar rígido, focando em aspectos que trazem impacto pelo seu lado "ilustrativo" (que neste caso, é muito real) e ao mesmo tempo, reforçado por um texto que traz uma narrativa com palavras significativas. Uma leitura que é muito fluída e "desenhada" de uma maneira muito criativa, tocante e sagaz.

Uma crise na saúde que acontece ao mesmo tempo de um racismo endêmico surgem como uma pauta necessária a ser cada vez mais comentada (especialmente neste momento) e é justamente o que o leitor irá encontrar ao ler esse livro. Uma boa dose de realidade, que certamente tem uma função de não apenas de abrir os olhos das pessoas, mas de provocar uma possível mudança de ideias ou conceitos que até então estavam "engessados" por ideias arcaicas. Asfixia tem uma característica muito singular e que só será absorvida pelos leitores que realmente estejam, em sua totalidade, focados no que eles estão vendo e lendo: a urgência de mudança, um apelo de transformação social - que não é restrito apenas aos Estados Unidos - em escala mundial.

Em outras palavras, eu classifico esse livro como uma forma de dar voz aqueles que sentem o medo de expressá-la (e neste caso, não apenas as pessoas negras), ao mesmo tempo tem que há um senso tangível de urgência em jogar os holofotes na crise pandêmica. Dois temas onde uma necessidade constante de ar sempre se faz presente, fazendo com que o título do livro traga uma reflexão logo na sua capa. Aliás, o título desse projeto foi extremamente inteligente e direto ao ponto, porque a falta de ar é altamente prejudicial para os dois temas em escalas que são impossíveis de serem mensuradas em níveis de importância. Todo mundo precisa de ar, todo sistema precisa encontrar formas de respirar... Uma vez sem ar, o que irá nos restar?