MOVIE REVIEW: "Les amants" (1958)

in LifeStylelast month

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

les_amants01.jpg

IMDb

Synopsis: Jeanne is married to Henri, but she is not happy. On her trips to Paris to meet a childhood friend, Maggy, she ends up meeting Raoul and they begin to have a relationship. Ironically, life with her lover is also not what she was expecting, but everything changes with the arrival of Bernard, a stranger she meets at random.

Dramatic movies that have adultery as the basis of their scripts usually bring a very interesting look at human behavior in relation to what they consider to be true (speaking specifically about loving feelings) and in the midst of this particular judgment it is normal that thoughts, in some moment, be fragmented because each person has their own point of view on the subject. However, dealing with this issue in the 50's is a taboo that brings a very controversial debate to the table, mainly because it is an adultery practiced by a woman. Incredible as it may seem, 71 years later, prejudices about a female perspective in relation to betrayal remain the same (in some cases, even worse), strengthening the male perspective (which feeds the defense of the "animal instinct" of men).

les_amants02.jpg

Alchetron

In this context, two weights and two measures never worked to try to justify this type of betrayal between men and women. The woman is always wrong, the man is always right. A woman is emotional (cheating is the result of some unhappiness), a man is impulsive (he cheats only for the pleasure of his own nature). To what extent are these types of "certainties" correct to the point of being solidified as an immutable thought within the minds of most people (not all obviously, but in a large part of them)? The movie does not provide an answer to such a universal theme, but it opens up space for the audience to reflect on the theme in a very intense way by the way it treats the subject in an efficient script, and that puts these certainties in doubt. I mentioned in this paragraph. Talking about love is always complicated.

Let's start from the assumption that there are no rules in love, but within society there are a set of "laws" that must be followed. "Do not betray", for example, is one of those laws that marriage idolizes as one of the main... But how valid is it when one side, be it man or woman, is unhappy? Particularly speaking, I believe that adultery does not work as a justification, but sometimes they do happen (and are not intentional). In this movie, the subject is used as an "answer" for Jeanne to find a motivation to be happy. But, next to lover Raoul, that happiness doesn't exist either and she starts to daydream about what her true happiness really would be... The answer, perhaps, comes with the arrival of Bernard in her life. A betrayal on top of another betrayal. Right or wrong?

les_amants03.jpg

Janus Films

That answer never comes, because it is something very private. However, the script is brought as a main tool, a group of characters that have totally different layers for the plot to make sense: an absent husband, an unhappy wife, a lover who hates futility, a hypocritical friend and a new lover with thoughts immediatists. This explosive selection from different perspectives throws on the screen many solid elements that become more and more consistent as the situations go on. Everything is even more intense for all sides because no character is spared criticism about their lifestyles and the impact of this on the final result of the movie is quite interesting. When they all face each other at an unexpected dinner, the consequences of their actions reveal their different "masks".

The wit that is spread throughout most scenes is very relevant, and brings into the movie a bittersweet flavor for exposing the weaknesses of each character (at the same time, a willingness to fight against this is present in some of them). Feelings change according to their particular needs, and love does not seem to be a priority for them, not even for Jeanne (who gradually reveals herself as a relatively futile character, like her first lover... but she is willing to change when you meet your new lover). An alternation of interests is happening, but always reinforcing the characteristics that each character highlights through their actions. However, Jeanne, although confused, seems to be a woman willing to fight against prejudice and live her truth anywhere.

les_amants04.jpg

MUBI

Family, love, financial stability, breaking paradigms... All of this is involved in the dilemmas that Jeanne has to face on a journey towards her version of happiness. The path is not easy, it is tortuous, but she finds certainties and pleasure, while fighting her most viable option (which would be, abandoning lovers and living an unhappy marriage to follow the standards respected by society). Even with a slow pace, the plot is constructed with interesting situations (even if there are some exaggerations in some scenes that are too long and the moments with the second lover - although they are important to retain the plot - in intimate moments are proof of this) and the the protagonist's drama is real. However, there is an appeal for escapist escapes (something that happens at the end of the third act) and this breaks a conclusion that could have been much more impactful than it actually manages to be.

Jeanne Moreau (who looks fantastic in this role) leads a competent cast, where they all deliver good performances. The characters are developed with good doses of ironies, while touching on serious everyday issues mixing comic elements (as if the plot wants to soften the tense atmosphere that is created when they are all together in the same scene) and Jeanne is in the middle of all this, collaborating and creating a counterpoint so that each of them has a moment to stand out in history (even for a few seconds). In addition, the group has a charisma that works very well on the screen, corroborating so that empathy here on the other side of the screen (on the part of viewers) happens in a natural way, bringing a sense of urgency in relation to the problems that each one of them are facing.

les_amants05.jpg

Senses of Cinema

French cinema proves, once again, that it knows how to deal with themes that are well ahead of its time and Les amants (skillfully directed by Louis Malle) is a great example of this. Even with her most expressionless moments and in her essence, walking through a feeling of latent ambiguity, what prevails is the search for a woman for what and for whom she is happy. Free from the feeling of guilt, there is only the desire to achieve full happiness, even if for that a sea of ​​uncertainties in relation to that desire needs to be overcome. To give up pre-existing certainties in order to go deep when throwing yourself over an "endless cliff" requires a lot of courage. This movie is also about that, and manages to provoke in the viewer the curiosity to review their own concepts about what they really consider to be valid and useful in relation to a feeling as great as love.


CRÍTICA DE PELÍCULA: "Los amantes" (1958)

Sinopsis: Jeanne está casada con Henri, pero no está feliz. En sus viajes a París para encontrarse con una amiga de la infancia, Maggy, termina conociendo a Raoul y comienzan a tener una relación. Irónicamente, la vida con su amante tampoco es lo que ella esperaba, pero todo cambia con la llegada de Bernard, un extraño al que conoce al azar.

Las películas dramáticas que tienen el adulterio como base de sus guiones suelen traer una mirada muy interesante al comportamiento humano en relación a lo que consideran verdadero (hablando específicamente de sentimientos amorosos) y en medio de este juicio en particular es normal que los pensamientos, En algún momento, se fragmentará porque cada persona tiene su propio punto de vista sobre el tema. Sin embargo, tratar este tema en los años 50 es un tabú que trae a la mesa un debate muy polémico, principalmente porque se trata de un adulterio practicado por una mujer. Por increíble que parezca, 71 años después, los prejuicios sobre una perspectiva femenina en relación a la traición siguen siendo los mismos (en algunos casos, peor aún), fortaleciendo la perspectiva masculina (que alimenta la defensa del "instinto animal" de los hombres).

En este contexto, dos pesos y dos medidas nunca funcionaron para intentar justificar este tipo de traiciones entre hombres y mujeres. La mujer siempre está equivocada, el hombre siempre tiene la razón. Una mujer es emocional (el engaño es el resultado de cierta infelicidad), un hombre es impulsivo (engaña solo por el placer de su propia naturaleza). ¿En qué medida este tipo de "certezas" son correctas hasta el punto de ser solidificadas como un pensamiento inmutable en la mente de la mayoría de las personas (no todas obviamente, pero en gran parte de ellas)? La película no da respuesta a un tema tan universal, pero abre un espacio para que el espectador reflexione sobre el tema de una manera muy intensa por la forma en que trata el tema en un guión eficiente, y eso pone en duda estas certezas. He mencionado en este párrafo. Hablar de amor siempre es complicado.

Partamos del supuesto de que no hay reglas en el amor, pero dentro de la sociedad hay un conjunto de "leyes" que se deben seguir. "No traicionar", por ejemplo, es una de esas leyes que el matrimonio idolatra como una de las principales... Pero, ¿qué validez tiene cuando un lado, sea hombre o mujer, es infeliz? En particular, creo que el adulterio no funciona como justificación, pero a veces lo hace (y no es intencional). En esta película, el tema se utiliza como una "respuesta" para que Jeanne encuentre una motivación para ser feliz. Pero, junto al amante Raoul, esa felicidad tampoco existe y empieza a soñar despierta sobre cuál sería realmente su verdadera felicidad... La respuesta, quizás, llega con la llegada de Bernard a su vida. Una traición además de otra traición. ¿Cierto o errado?

Esa respuesta nunca llega, porque es algo muy privado. Sin embargo, el guión se trae como herramienta principal, un grupo de personajes que tienen capas totalmente diferentes para que la trama tenga sentido: un marido ausente, una esposa infeliz, un amante que odia la futilidad, un amigo hipócrita y un nuevo amante con pensamientos. inmediatistas. Esta explosiva selección desde diferentes perspectivas arroja en la pantalla muchos elementos sólidos que se vuelven cada vez más consistentes a medida que avanzan las situaciones. Todo es aún más intenso para todos los bandos porque ningún personaje se salva de las críticas sobre su estilo de vida y el impacto de esto en el resultado final de la película es bastante interesante. Cuando todos se enfrentan en una cena inesperada, las consecuencias de sus acciones revelan sus diferentes "máscaras".

El ingenio que se esparce por la mayoría de las escenas es muy relevante, y aporta a la película un sabor agridulce para exponer las debilidades de cada personaje (al mismo tiempo, la voluntad de luchar contra esto está presente en algunas de ellas). Los sentimientos cambian según sus necesidades particulares, y el amor no parece ser una prioridad para ellos, ni siquiera para Jeanne (que poco a poco se revela como un personaje relativamente inútil, como su primer amante... pero está dispuesta a cambiar cuando conoce a tu nuevo amante). Se está produciendo una alternancia de intereses, pero siempre reforzando las características que cada personaje destaca a través de sus acciones. Sin embargo, Jeanne, aunque confusa, parece ser una mujer dispuesta a luchar contra los prejuicios y vivir su verdad en cualquier lugar.

Familia, amor, estabilidad económica, ruptura de paradigmas... Todo esto está involucrado en los dilemas que debe afrontar Jeanne en un viaje hacia su versión de la felicidad. El camino no es fácil, es tortuoso, pero encuentra certezas y placer, mientras lucha contra su opción más viable (que sería abandonar amantes y vivir un matrimonio infeliz para seguir los estándares respetados por la sociedad). Incluso con un ritmo lento, la trama se construye con situaciones interesantes (incluso si hay algunas exageraciones en algunas escenas que son demasiado largas y los momentos con el segundo amante - aunque son importantes para retener la trama - en momentos íntimos son prueba de ello. esto) y el drama del protagonista es real. Sin embargo, hay un llamado a las fugas escapistas (algo que sucede al final del tercer acto) y esto rompe una conclusión que podría haber sido mucho más impactante de lo que realmente logra ser.

Jeanne Moreau (que se ve fantástica en este papel) lidera un elenco competente, donde todos ofrecen buenas actuaciones. Los personajes se desarrollan con buenas dosis de ironías, mientras tocan temas serios del día a día mezclando elementos cómicos (como si la trama quisiera suavizar la atmósfera tensa que se crea cuando están todos juntos en la misma escena) y Jeanne está en medio de todo ello, colaborando y creando un contrapunto para que cada uno de ellos tenga un momento para destacar en la historia (aunque sea por unos segundos). Además, el grupo tiene un carisma que funciona muy bien en la pantalla, corroborando que la empatía aquí del otro lado de la pantalla (por parte de los espectadores) se da de forma natural, aportando un sentido de urgencia en relación a la problemas a los que se enfrenta cada uno de ellos.

El cine francés demuestra, una vez más, que sabe abordar temas muy adelantados a su tiempo y Los amantes (hábilmente dirigido por Louis Malle) es un gran ejemplo de ello. Incluso en sus momentos más inexpresivos y en su esencia, caminando por un sentimiento de ambigüedad latente, lo que prevalece es la búsqueda de una mujer para qué y para quién es feliz. Libre del sentimiento de culpa, solo existe el deseo de alcanzar la felicidad plena, aunque para ello sea necesario superar un mar de incertidumbres en relación a ese deseo. Renunciar a certezas preexistentes para profundizar al lanzarse por un "acantilado sin fin" requiere mucho coraje. Esta película también trata de eso, y consigue provocar en el espectador la curiosidad de revisar sus propios conceptos sobre lo que realmente consideran válido y útil en relación a un sentimiento tan grande como el amor.


CRÍTICA DE FILME: "Os Amantes" (1958)

Sinopse: Jeanne é casada com Henri, mas não é feliz. Em suas idas à Paris para encontrar uma amiga de infância, Maggy, ela acaba conhecendo Raoul e eles começam a ter um relacionamento. Ironicamente, a vida com o amante também não é o que ela estava esperando, mas tudo muda com a chegada de Bernard, um estranho que ela conhece ao acaso.

Filmes dramáticos que tem o adultério como base dos seus roteiros geralmente trazem um olhar bem interessante sobre o comportamento humano em relação ao que eles consideram como verdade (falando especificamente sobre sentimentos amorosos) e no meio desse julgamento particular é normal que os pensamentos, em algum momento, sejam fragmentados porque cada pessoa tem o seu próprio ponto de vista sobre o assunto. No entanto, lidar com esse assunto na década de 50 é um tabu que traz um debate bem controverso para a mesa, principalmente porque é um adultério praticado por uma mulher. Por incrível que pareça, 71 anos depois, os preconceitos sobre uma perspectiva feminina em relação a traição permanecem iguais (em alguns casos, ainda piores), fortalecendo a perspectiva masculina (que alimenta a defesa do "instinto animal" dos homens).

Neste contexto, dois pesos e duas medidas nunca funcionaram para tentar justificar esse tipo de traição entre homem e mulher. A mulher sempre está errada, o homem está sempre certo. Uma mulher é emocional (trair é consequência de alguma infelicidade), um homem é impulsivo (trai apenas pelo prazer da sua própria natureza). Até onde esses tipos de "certezas" são corretos a ponto de serem solidificados como um pensamento imutável dentro da mente maioria das pessoas (não todas obviamente, mas em uma grande parte delas)? O filme não traz uma resposta para um tema tão universal, mas ele abre espaço para que o público possa refletir sobre o tema de um jeito bem intenso pela maneira como trata o assunto em um roteiro eficiente, e que coloca em dúvida essas certezas que eu mencionei neste parágrafo. Falar de amor sempre é complicado.

Vamos partir do pressuposto de que no amor não existem regras, mas dentro da sociedade há um conjunto de "leis" que devem ser seguidas. "Não trair", por exemplo, é uma dessas leis que o casamento idolatra como uma das principais... Mas até onde ela é válida quando um dos lados, seja o homem ou a mulher, está infeliz? Particularmente falando, eu acredito que o adultério não funciona como justificativa, mas às vezes eles acontecem (e não são intencionais). Neste filme, o assunto é usado como uma "resposta" para que Jeanne encontre uma motivação para ser feliz. Mas, ao lado do amante Raoul, essa felicidade também não existe e ela começa a ter um devaneio sobre o que realmente seria a sua verdadeira felicidade... A resposta, talvez venha com a chegada de Bernard na vida dela. Um traição em cima de outra traição. Certo ou errado?

Essa resposta nunca surge, porque é algo muito particular. No entanto, o roteiro é traz como ferramenta principal, um grupo de personagens que tem camadas totalmente diferentes para que a trama faça sentido: um marido ausente, uma esposa infeliz, um amante que odeia futilidade, uma amiga hipócrita e um novo amante com pensamentos imediatistas. Essa seleção explosiva de de diferentes perspectivas joga na tela muitos elementos sólidos que se tornam cada vez mais consistentes à medida em que as situações vão acontecendo. Tudo fica ainda mais intenso para todos os lados porque nenhum personagem é poupado de críticas sobre seus estilos de vida e o impacto disso no resultado final do filme é bem interessante. Quando todos eles se enfrentam em um jantar inesperado, as consequências dos seus atos revelam suas diferentes "máscaras".

A sagacidade que está espalhada pela maioria das cenas é muito relevante, e traz para dentro do filme um sabor agridoce por expor as fragilidades de cada personagem (ao mesmo tempo, uma vontade de lutar contra isso se faz presente em alguns deles). Os sentimentos vão mudando de acordo com suas necessidades particulares, e o amor não parece ser uma prioridade deles, nem mesmo para Jeanne (que aos poucos, se revela como uma personagem relativamente fútil, como o seu primeiro amante... mas ela está disposta a mudar, quando conhece o seu novo amante). Uma alternância de interesses vai acontecendo, mas sempre reforçando as características que cada personagem ressalta através de suas ações. No entanto, Jeanne, mesmo confusa, parece ser uma mulher disposta a lutar contra os preconceitos e viver à sua verdade em qualquer lugar.

Família, amor, estabilidade financeira, quebra de paradigmas... Tudo isso está envolvido nos dilemas que Jeanne precisa enfrentar em uma jornada pela sua versão da felicidade. O caminho não é fácil, é tortuoso, mas ela encontra certezas e prazer, enquanto luta contra suas opção mais viável (que seria, abandonar os amantes e viver um casamento infeliz para seguir dentro dos padrões respeitados pela sociedade). Mesmo tendo um ritmo lento, a trama se constrói com situações interessantes (mesmo havendo alguns exageros em alguns cenas demasiadamente longas e os momentos com o segundo amante - apesar de serem importantes para fidelizar à trama - em momentos íntimos são uma prova disso) e o drama da protagonista é real. No entanto, existe o apelo pelas saídas escapistas (algo que acontece no final do terceiro ato) e isso quebra uma conclusão que poderia ter sido muito mais impactante do que ela realmente consegue ser.

Jeanne Moreau (que está fantástica neste papel) lidera um elenco competente, onde todos eles entregam boas atuações. Os personagens são desenvolvidos com boas doses de ironias, ao mesmo tempo em que tocam em questões cotidianas sérias misturando elementos cômicos (como se a trama quisesse amenizar o clima tenso que é criado quando todos eles estão juntos na mesma cena) e Jeanne está no meio disso tudo, colaborando e criando um contra ponto para que cada um deles tenha um momento para se destacar na história (ainda que por alguns segundos). Além disso, o grupo tem um carisma que funciona muito bem na tela, corroborando para que a empatia aqui do outro lado da tela (por parte dos telespectadores) aconteça de uma forma natural, trazendo o senso de urgência em relação aos problemas que cada um deles está enfrentando.

O cinema francês prova, mais uma vez, que sabe lidar com temas que estão bem à frente do seu tempo e Os Amantes (habilmente dirigido por Louis Malle) é um ótimo exemplo disso. Mesmo com seus momentos mais inexpressivos e em sua essência que caminha por um sentimento de ambiguidade latente, o que prevalece é a busca de uma mulher pelo que e por quem a faz feliz. Livre do sentimento de culpa, existe apenas o desejo de conseguir alcançar a felicidade plena, mesmo que para isso um mar de incertezas em relação a esse desejo precise ser vencido. Abdicar das certezas pré-existentes para ir fundo ao se jogar de um "penhasco sem fim" requer muita coragem. Esse filme também é sobre isso, e consegue provocar no telespectador a curiosidade de rever os seus próprios conceitos sobre o que eles realmente consideram ser válido e útil em relação a um sentimento tão grande quanto o amor.

Coin Marketplace

STEEM 1.12
TRX 0.14
JST 0.128
BTC 56982.24
ETH 4289.02
BNB 668.05
SBD 7.20