MOVIE REVIEW: "The Rhythm Section" (2020)

in GEMS2 months ago (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

IMDb

Synopsis: Stephanie traces the dangerous path of self-destruction after her family is tragically killed in a plane crash. Upon discovering that her loss was no accident, she entered the dark and complex world of international espionage in search of revenge. How far will she be able to go to find all the answers?

Seeking to offer equity among action movies starring men, and the same types of movies starring women (a genre that is highly visible to the public), Hollywood has been planning the "right shot" for some time now to show that the female gender can be sensual, sexy and lethal without having to depend on the male sex (at least not directly) for that to happen. A sequence of attempts has already been made and unfortunately, most of them have failed, basically because there are no good scripts and this movie is another example of that.

Variety

The plot begins with an excessive dramatic weight, which is shown through flashbacks without major impacts for the narrative construction of events. This approach has a problematic effect, because supporting the whole dramatic side of the movie in these types of elements shows how much the script lacks a more intense explanation of what really motivates the protagonist to have chosen a completely different life than she had imagined. In decay, she works as a prostitute and is addicted to drugs... But things are about to change when she receives a visit from someone unexpected.

When a journalist claims (with evidence) that Stephanie's parents' accident brings the complexity of a terrorist scheme, she is "seduced" by the need to want justice done by her own hands and from there, she starts to set a wild route that has as its biggest fuel, a thirst for revenge that will modify, upset and challenge her to be someone she never wanted to be: a murderer. Having an urgent need to find out who killed her parents, she sets out to seek revenge and on her journey, she ends up being strangely recruited by an agent who trains her.

SpinOff

These arguments (even some exaggerated and problematic moments) could have a much more intense perspective and would have worked more efficiently, had the script been less "wordy" and more determined to show someone seeking revenge with more convincing narrative elements . The biggest problem with this movie is that it tries to turn a woman without skills in the world of espionage into a killing machine, endowed with cunning, courage and coldness. None of this ends up working, and a good part of this error is the dramatic weight that the character carries.

The weakness of the protagonist and especially the way in which she is recruited makes an entry into the world of spies into something totally unlikely (something that only works and becomes convincing when the movie is about to end) and that excludes each of the possibilities of making this script into something believable. The motivations for her to accept this challenge are valid (the context is totally acceptable), but the way all plans for revenge take place are not. Everything is always very shallow and always leads to sneak outs, without major impacts and which become forgettable.

Talk Film Society

There is a pertinent attempt to show the "rise" of an ordinary woman to a fatal woman in a short time of transition and although it works after a long time, the script's problems still focus on the lack of rhythm and also the lack of action more energetic (something that should be one of the highlights here). The narrative follows a tense line, but this argument cannot be supported by the actions that should embody all the problems that are spread throughout the plot. The moments where physical clashes exist are few, fast, uninteresting and poorly executed.

Blake Lively plays a character that is not very complex and that is totally lost and has no idea of ​​what should be done when being guided by a narcissistic trainer and full of mysteries (which is played without expression by Jude Law). In fact, it is worth saying that Lively's work here is very average, with a deserved highlight for a kind of cartoonish English accent and without energy. Undoubtedly, in her career, I think this is one of her most expendable jobs... The only thing that stands out is the change in the visual aspect (which made her look like Cate Blanchett).

CNN

The Rhythm Section tries to get it right, but is constantly interrupted by a message that makes no sense and that director Reed Morano also failed to capture as well (despite having done a minimally reasonable job). Female gender is strong, but it will take some time to be shown more efficiently in projects where action is the attractive "flagship" of the plots if the scripts continue to follow a less daring and less explosive trajectory than they should have and perhaps this reinforces the "inferior" role of women in movies that are still mostly male.


CRÍTICA DE PELÍCULA: "El Ritmo de la Venganza" (2020)

Sinopsis: Stephanie sigue el peligroso camino de la autodestrucción después de que su familia muere trágicamente en un accidente aéreo. Al descubrir que su pérdida no fue accidental, ingresó al oscuro y complejo mundo del espionaje internacional en busca de venganza. ¿Hasta dónde podrá llegar para encontrar todas las respuestas?

Buscando ofrecer equidad entre las películas de acción protagonizadas por hombres y el mismo tipo de películas protagonizadas por mujeres (un género que es muy visible para el público), Hollywood ha estado planeando la "toma correcta" desde hace algún tiempo para demostrar que el sexo femenino puede Sea sensual, sexy y letal sin tener que depender del sexo masculino (al menos no directamente) para que eso suceda. Ya se ha realizado una secuencia de intentos y, lamentablemente, la mayoría han fracasado, básicamente porque no hay buenos guiones y esta película es otro ejemplo de ello.

La trama comienza con un peso dramático excesivo, que se muestra a través de flashbacks sin mayores impactos para la construcción narrativa de los hechos. Este enfoque tiene un efecto problemático, porque apoyar todo el lado dramático de la película en este tipo de elementos muestra cuánto le falta al guión una explicación más intensa de lo que realmente motiva a la protagonista a haber elegido una vida completamente diferente a la que había imaginado. En decadencia, trabaja como prostituta y es adicta a las drogas... Pero las cosas están a punto de cambiar cuando recibe la visita de alguien inesperado.

Cuando una periodista afirma (con evidencia) que el accidente de los padres de Stephanie trae la complejidad de un esquema terrorista, ella es "seducida" por la necesidad de querer que la justicia se haga con sus propias manos y a partir de ahí, comienza a trazar una ruta que tiene como su mayor combustible, una sed de venganza que la modificará, enfadará y desafiará a ser alguien que nunca quiso ser: una asesina. Ante la urgente necesidad de averiguar quién mató a sus padres, se dispone a buscar venganza y, en su viaje, termina siendo extrañamente reclutada por un agente que la entrena.

Estos argumentos (incluso algunos momentos exagerados y problemáticos) podrían tener una perspectiva mucho más intensa y habrían funcionado de manera más eficiente, si el guión hubiera sido menos "prolijo" y más decidido a mostrar a alguien que busca venganza con elementos narrativos más convincentes. El mayor problema de esta película es que intenta convertir a una mujer sin habilidades en el mundo del espionaje en una máquina de matar, dotada de astucia, coraje y frialdad. Nada de esto acaba funcionando, y buena parte de este error es el peso dramático que lleva el personaje.

La debilidad de la protagonista y sobre todo la forma en la que es reclutada convierte la entrada en el mundo de los espías en algo totalmente improbable (algo que solo funciona y se vuelve convincente cuando la película está por terminar) y que excluye cada una de las posibilidades de haciendo de este guión algo creíble. Las motivaciones para que ella acepte este desafío son válidas (el contexto es totalmente aceptable), pero la forma en que se llevan a cabo todos los planes de venganza no lo es. Todo es siempre muy superficial y siempre conduce a escapadas, sin mayores impactos y que se vuelven olvidables.

Hay un intento pertinente de mostrar la "crecimento" de una mujer corriente a una mujer fatal en un corto tiempo de transición y aunque funciona después de mucho tiempo, los problemas del guión aún se centran en la falta de ritmo y también en la falta de acción. más enérgico (algo que debería ser uno de los aspectos más destacados aquí). La narración sigue una línea tensa, pero este argumento no puede apoyarse en las acciones que deben encarnar todos los problemas que se extienden a lo largo de la trama. Los momentos en los que existen enfrentamientos físicos son pocos, rápidos, poco interesantes y mal ejecutados.

Blake Lively personifica un personaje que no es muy complejo y que está totalmente perdido y no tiene idea de lo que se debe hacer al ser guiado por un entrenador narcisista y lleno de misterios (que es interpretado sin expresión por Jude Law). De hecho, vale decir que el trabajo de Lively aquí es muy normalito, con un merecido destaque por una especie de acento inglés caricaturesco y sin energía. Sin duda, en su carrera, creo que este es uno de sus trabajos más prescindibles... Lo único que destaca es el cambio en el aspecto visual (que la hacía parecerse a Cate Blanchett).

El Ritmo de la Venganza intenta hacerlo bien, pero es constantemente interrumpido por un mensaje que no tiene sentido y que el director Reed Morano tampoco logró captar (a pesar de haber hecho un trabajo mínimamente razonable). El sexo femenino es fuerte, pero llevará algún tiempo mostrarse de manera más eficiente en proyectos donde la acción es el atractivo "buque insignia" de las tramas si los guiones continúan siguiendo una trayectoria menos atrevida y menos explosiva de lo que deberían y quizás esto refuerza el papel "inferior" de la mujer en películas que todavía son en su mayoría hombres.


CRÍTICA DE FILME: "O Ritmo da Vingança" (2020)

Sinopse: Stephanie traça o perigoso caminho de autodestruição depois que sua família é tragicamente morta em um acidente de avião. Ao descobrir que sua perda não foi por acaso, ela entra no mundo sombrio e complexo da espionagem internacional em busca de vingança. Até onde ela será capaz de ir para encontrar todas as respostas?

Procurando oferecer equidade entre os filmes de ação protagonizados por homens, e os mesmos tipos de filmes protagonizados por mulheres (uma pauta de gênero que está com grande visibilidade por parte do público) já faz algum tempo que Hollywood planeja o "tiro certo" para mostrar que o sexo feminino pode ser sensual, sexy e letal sem ter que depender do sexo masculino (pelo menos não diretamente) para isso acontecer. Uma sequência de tentativas já foram feitas e infelizmente, a maioria delas fracassaram, basicamente porque não tem bons roteiros e esse filme é mais um exemplo disso.

A trama começa um peso dramático excessivo, que é mostrado através de flashbacks sem grandes impactos para à construção narrativa dos acontecimentos. Essa abordagem traz um efeito problemático, porque apoiar todo o lado dramático do filme nesses tipos de elementos mostra o quando o roteiro é carente de uma explanação mais intensa sobre o que realmente motiva a protagonista a ter escolhido uma vida completamente diferente do que ela havia imaginado. Em decadência, ela trabalha como prostituta é viciada em drogas... Mas as coisas estão prestes a mudar quando ela recebe uma visita de alguém inesperado.

Quando um jornalista afirma (com provas) que o acidente dos pais de Stephanie traz a complexidade de um esquema terrorista, ela é "seduzida" pela necessidade de querer a justiça sendo feita pelas suas próprias mãos e a partir daí, ela começa a traçar uma rota que tem como o seu maior combustível, uma sede de vingança que vai modificá-la, transtorná-la e desafiá-la a ser alguém que ela nunca quis ser: uma assassina. Tendo a urgência de encontrar quem matou os seus pais, ela parte em busca de vingança e em sua jornada, ela acaba sendo estranhamente recrutada por um agente que a treina.

Esses argumentos (mesmo alguns momentos exagerados e problemáticos) poderiam ter uma perspectiva muito mais intensa e teriam funcionado de uma maneira mais eficiente, se o roteiro tivesse sido menos "prolixo" e mais determinado em mostrar alguém em busca de vingança com elementos narrativos mais convincentes. O maior problema desse filme é que ele tenta transformar uma mulher sem habilidades no mundo da espionagem em uma máquina de matar, dotada de astúcia, coragem e frieza. Nada disso acaba funcionando, e uma boa parte desse erro é o peso dramático que ela a personagem carrega.

A fragilidade da protagonista e principalmente o modo como ela é recrutada torna uma entrada no mundo dos espiões em algo totalmente inverossímil (algo que só funciona e se torna convincente quando o filme está perto de acabar) e isso exclui cada uma das possibilidades de tornar esse roteiro em algo crível. As motivações para ela aceitar esse desafio são válidas (o contexto é totalmente aceitável), mas a forma como todos os planos de vingança acontecem não são. Tudo sempre é muito raso e sempre traz como desfecho saídas furtivas, sem grandes impactos e que se tornam esquecíveis.

Há uma tentativa pertinente de mostrar a "ascensão" de uma mulher comum em uma mulher fatal em pouco tempo de transição e apesar disso funcionar depois de muito tempo, os problemas do roteiro se concentram ainda na falta de ritmo e também na falta de ação mais enérgica (algo que deveria ser um dos pontos altos aqui). A narrativa segue uma linha tensa, mas esse argumento não consegue ser sustentado pelas ações que deveriam personificar todos os problemas que estão espalhados pela trama. Os momentos onde os embates físicos existem são poucos, rápidos, desinteressantes e mal executados.

Blake Lively dá vida a uma personagem pouco complexa e que fica totalmente perdida e sem noção do que deve ser feito ao ser guiada por um treinador narcisista e cheio de mistérios (que é interpretado inexpressivamente por Jude Law). Aliás, é válido dizer que o trabalho da Lively aqui é muito mediano, com um destaque merecido para um tipo de sotaque inglês caricato e sem energia. Sem dúvidas, na carreira dela, eu acho que esse é um dos seus trabalhos mais dispensáveis... O único fato que chama à atenção é a mudança no aspecto visual (que a fez ficar parecida com a Cate Blanchett).

O Ritmo da Vingança tenta acertar, mas é constantemente interrompido por uma mensagem que não faz sentido e que a diretora Reed Morano também não conseguiu captar tão bem (apesar de ter feito um trabalho minimamente razoável). O sexo feminino é forte, mas isso ainda levará algum tempo para ser mostrado com mais eficiência em projetos onde à ação é o "carro-chefe" atrativo das tramas se os roteiros continuarem seguindo uma trajetória menos ousada e menos explosiva do que deveriam ter e talvez, isso reforce o papel "inferior" das mulheres em filmes que ainda são majoritariamente masculinos.

Coin Marketplace

STEEM 1.03
TRX 0.14
JST 0.149
BTC 55480.24
ETH 2146.89
BNB 466.98
SBD 8.25